Se não for direcionado automaticamente, clique aqui. Bastard Songs: Dezembro 2009

quinta-feira, 31 de dezembro de 2009


Um feliz 2010 a todos os leitores do blog!!!!!


Agradecemos principalmente a todos que acompanham as besteiras que escrevemos aqui, aos que comentam (comentem galera! nem que seja pra xingar, aumenta nossa autoestima!), ao Babu (visitante diário), os blogs amigos, as bandas que cederam material para postarmos aqui e as bandas que deram entrevista!

E que seja um ano com muitos shows fodas (Guana Batz e Frenzy vindo aí!), muito topete e laquê (alguns usam pomada, não usem sabão galera, fede).
Continuem entrando, logo mais o Fanfa volta de viagem e voltamos com nossos downloads >:)

terça-feira, 29 de dezembro de 2009

ENTREVISTA - DEGOLADOS

O Fanfa foi viajar então vamos ficar sem downloads por um tempo... (eu já disso isso, só pra fixar mesmo)
Então estou entrevistando algumas bandas de psychobilly daqui!
Hoje é a vez do Degolados, banda de psychobilly marginal do ABC/SP.
O som do Degolados é um caso aparte, não existe banda de psychobilly igual, os shows são sempre uma surpresa (será que eles vão tocar sobrios hoje? o publico frequentemente se pergunta)!
Pra quem tá na duvida ainda e não conheceu o som dos caras é só falar das estatisticas, Degolados é uma das bandas com mais downloads aqui do blog!!! Na frente de muita banda gringa, portanto escutem! Voces não vão se arrepender (ou vão...)


Entrevista feita por Marcial com os membros da banda Mudinho (Ou simplesmente Muds) e Kz:




Entrevista feita por Marcial com os membros da banda Mudinho (Ou simplesmente Muds) e Kz:


1 - Como surgiu o Degolados? Quem é quem na banda? e as principais influencias?
Muds:
Desde sempre eu gosto de escrever letras de psychobilly. Daí, em uma ocasião em 2005(ou 2006), esse assunto caiu numa mesa de bar e decidimos montar uma banda. A primeira formação do Degolados foi eu no vocal e o João fazendo os arranjos no violão mesmo. Após umas musicas arranjadas, fizemos algumas propagandas e recrutamos mais dois caras para fechar essa primeira formação: Marcial no baixo e Jelly na bateria. Fizemos alguns ensaios, tivemos alguns problemas nesses ensaios e o som não estava batendo, tava muito ruim (mais ainda do que é, acreditem!).
Nisso a banda acabou sem ter feito nenhum show e ficou no gelo por algum tempo até que teve um evento no Lady Hell chamado Voodoo Summer no inicio de 2008 (ou final de 2007). O cara que tava organizando (Shocker) queria porque queria que revivessemos os Degolados. Fechamos uma formação imaginária que mudou umas 6x só na fila do lugar. O show, sem ensaio nenhum, lógico que foi uma catastrofe.

KZ: Mesmo assim eu propus ao Mudinho e Bing para tentar levar a banda pra frente, com o propósito de entrar de graça nas baladas e em troca de cerveja, então recrutamos o atraso de vida Sikk para o baixo.

Muds: No nosso primeiro ensaio da "nova fase" tiramos Rainha da Esbórnia em uns 10 minutos, que é basicamente a mesma versão que gravamos e tocamos até hoje. Penso que esse entusiasmo inicial que nos animou a seguir "sério" mesmo a banda. Quanto às influencias todos tem seus gostos particulares e carrega pra banda, mas em termos de sonoridade e letras, o Degolados teve bastante pitadas de Kães Vadius, Ovos Presley, Coffin Nails e Meteors.


2 - Como podemos classificar o som de vocês?
KZ: Desde nosso primeiro ensaio procuramos fazer um som para nos do nosso jeito, sem procurar agradar ninguém e nem se basear em outras bandas, acho que por isso não nos parecemos com nenhuma banda existente! Utilizamos a sujeira do punk, guitarras limpas, cérebros embriagados e a influencia mágica da rua Augusta como “inspiração”, mas nunca saindo do psychobilly, que é o que tocamos.

Muds: Nosso foco sempre foi tentar dosar a raiz do rockabilly no nosso som, para manter a essencia do psychobilly e não ficar apenas com a parte punk. Com o baixo elétrico essa missão fica ainda mais difícil, mas o Bing tem conseguido passar um pouco dessa pegada “billy” pro som, mas ainda queremos fazer essa mistura ficar ainda mais homogenia. Já nossas musicas tem bastante pegada, com letras com temas bem sangrentos e noiados e refrões que impregnam na cabeça (essa é uma vantagem de cantar em português).

3 - Os 4 sons gravados e divulgados no myspace da banda foram muito bem recebidos, e é um dos álbuns mais baixados do blog, contem mais sobre a gravação!
Kz: Após bastante shows resolvemos gravar 4 musicas apenas para ter uma noção do que estávamos fazendo e tal. Então entramos em contato com o Joe (Bad Luck Gamblers) que tem o estúdio Hot Jail. E o Sikk como de costume teve um atraso de 2 horas, emprestou o baixo para um amigo que sumiu. Fizemos uma gravação semi ao vivo regada a cerveja e Contini com Soda. As 4 musicas foram gravadas e mixadas em 4 horas apenas. O resultado surpreendeu nos mesmos, tanto que resolvemos disponibilizar as musicas no Myspace, e então a declaramos como nossa primeira demo. O nome “Na Saude no Arrasto” surgiu quando estávamos na estação Saúde em um bar esperando o Sikk (pra variar) e acabamos enchendo a cara. Todas as letras são do Mudinho e os riffs e melodias com o Bing, eu e Sikk apenas damos sugestões, desnecessárias é lógico...


4 - Nesses quase 2 anos de banda, o que mudou? Vocês aprenderam a tocar melhor?
Kz:
Não mudamos praticamente nada, senão deixaremos de ser Os Degolados! ahaha Bom, procuramos aumentar o numero de ensaios para compor musicas novas e errar menos apenas, mas é difícil arranjar um horário em comum para todos, por causa do trabalho, estudo etc. Mas o pessoal anda reclamando menos e ate nos elogiando acho que isso significa uma melhora!

Muds: Ah, eu acho sim que melhoramos muito (piorar seria impossível). Isso você sente tanto nos comentários dos amigos quanto em auto-crítica. Apesar dos poucos ensaios e muitas loucuras, nossas musicas até que estão redondas. Acho que evoluimos bastante com banda, somos Os Degolados, nós quatro, acho que um completa (ou escora) o outro. Andamos recebendo ótimos elogios, inclusive do Hulkabilly e do Milton Monstro, dois dinossauros do role. Fora os camaradas que cantam junto e falam que tão curtindo. Pra gente, isso basta, afinal esses mesmos caras nos humilhavam publicamente! Haha. E o que mais importa, curtimos o som que fazemos (sim, temos mal gosto!).



5 – O que o futuro aguarda para os Degolados?
Kz:
Bom, para 2010 queremos continuar tocando bastante e chocando o publico. Talvez role um split com algumas bandas "aliadas" e gravemos mais duas musicas para divulgação. Também já esta a caminho camisetas da banda, em breve na loja Santa Madre do Andre (LadyHell) la na Galeria do Rock.

Muds: Vamos ver o que rola, nunca planejamos as coisas com muita antecedencia, deixamos rolar. Quem sabe não aparece um clipe, um CD, um convite da playboy pro Kz.... Nunca se sabe, hehe.
Degolados: Obrigado Marcial e BastardSongs! Avante Degolaticos!


Bom! e esses são os Degolados!
contato para show no myspace dos caras!
http://www.myspace.com/degolados

quinta-feira, 24 de dezembro de 2009

[SP] HENRY PAUL TRIO e VOODOO STOMPERS

e aí pessoal malucão!

bom, o Fanfa vai se ausentar por uns dias então vamos ficar sem uns downloads, mas eu vou ir atualizando porque agora eu tenho internet em casa!

uma boa pedida pra esse sabadão é o show do Voodoo Stompers (minha banda!) com o Henry Paul Trio no Inferno! é a ultima festa do ano e garanto pra todos que vai ser bem legal!



seguem os dados!:


VOODOO STOMPERS
(www.myspace.com/voodoostompers - saco, não sei inserir hiperlink)

HENRY PAUL TRIO

(www.myspace.com/henrypaultrio - o mesmo de acima, o que vale é a intenção!)

Sábado 26/12 - Apartir das 0hoo (mulher vip até o1h00!)

Inferno Club: Rua Augusta - 501 - Consolação - SP

Entrada: R$ 15 porta R$ 10 lista

info: (11) 3120 - 4140

lista@infernoclub.com.br


segunda-feira, 21 de dezembro de 2009

MAD HEADS


Meu desejo por mostrar musicas boas para as pessoas é incrivel, me fazendo até mesmo colaborar com o blog de meu arquiinimigo Fabricio Fanfa.


Hoje, depois de um bom tempo sem postar por aqui, vou falar um pouco de uma das minhas bandas preferidas de psychobilly (ou neo-rockabilly como eles mesmo se taxavam, mesmo eu achando que cai muito mais pro psycho...), o Mad Heads.


Formada em 1991 na cidade de Kiev, na Ucrania, foram a primeira banda psychobilly do país. Algumas mudanças de formação e depois de algum tempo, mais precisamente em 1996, eles lançaram o album (maravilhoso por sinal) "Psycholula" pelo selo alemão Crazy Love Rec., varias musicas são dignas de menção, como as macabronas (que parecem ter saido da trilha sonora de algum filme do Tim Burton) "The Nails" e "Evil People", outas como "Never Die","N-d-e" são o que eu chamo de psychobilly verdadeiro, e para quem curte Smiths escutem a "Welcome", me lembra muito um smithsabilly, genial.


Sendo já muito conhecidos em sua terra natal a essa altura, fazendo aparições na TV, radio e em revistas, após o lançamento do album vieram a ser amplamente conhecidos em todo o continente europeu. tocando no Callela Psychobilly Meeting na Espanha, e constantes aparições em territorio finlandes, fora os shows por quase todo continente europeu como Russia, Italia, Polonia, Reino Unido...


O segundo album, "Mad in Ukraine", lançado em 1998 tambem pela Crazy Love é com certeza absoluta um dos pontos mais altos do psychobilly dos anos 90, e talvez do psychobilly em geral. Fudido do começo ao fim, "Tram in Lunacy" é quase um metal melodico de tão bem trabalhada, e pelos seus vocais a lá Angra. "Sharks" tem todo aquele clima de uma taberna cheia de piratas cantando em coro, "Treat Me Bad" é uma das baladas mais legais ja gravadas por uma banda de psychobilly, e a "porrada Ukranian Horror Show" é pra cair no wrecking matando.


Talvez pelo sucesso de bandas como Tiger Army e Nekromantix, eles lançam o beeem melódico "Naked Flame", sem toda aquela identidade de seus albuns anteriores mas ainda sim com seus hits como "Sleeping", "Stinky Town" e "Psychollela".


A essa altura ja vistos como uma das bandas preferidas do povo rockeiro Ukraniano lançam pouco depois, em 2003, o album "Contact" cantando inteiramente em ucraniano. Um album bom... mas não chega aos pés dos 2º primeiros discos.

Arte fudida da capa do primeiro disco da banda

Em 2004 com a sensação de "missão cumprida" os Mad Heads dão um tempo com a banda e formam o Mad Heads XL, banda que mistura ska, punk e folk ucraniano. A banda virou um verdadeiro fenomeno em territorio ucraniano, e aparentemente não teremos noticias do Mad Heads (como um trio) tão cedo.



Quando eu falo com os anos de 1990 foram ótimos para o psychobilly muita gente ainda duvida e torce o nariz, espero que voces escutem essa banda e tirem suas proprias conclusões, NECESSARIO, OBRIGATÓRIO, BAIXEM AGORA!!!!!


Download dos discos

sexta-feira, 18 de dezembro de 2009

TORMENT

Uma das mais originais e inventivas bandas dos anos 80, o Torment se destacou com sua sonoridade singular em relação as bandas da época e é cultuada até hoje por psychos do mundo inteiro, além de ser uma das bandas preferidas de nós do blog.


Com o trágico suicídio do vocalista e líder Simon Brand, a banda cessou suas atividades de vez em 1994. Leia mais sobre eles no texto a seguir retirado do site alemão Oldschool Psychobilly:



O Torment foi formado pelo ex-Frenzy Simon Brand (vocal e guitarra) e Kevin Haynes (bateria) no final de 1985 em Bristol – Inglaterra. Nos primórdios a banda tinha como baixista Sean Holder.

Primeira formação da banda, com Sean Holder no baixo

Em 1986 a banda começou a ganhar reconhecimento, e uma fita demo foi gravada e entregue à Roy Williams, da Nervous Records (a maior gravadora de psychobilly e neo-rockabilly da época) que mostrou interesse em lançar algo do Torment.

Simon Brand ná época do Frenzy

Pouco depois, Sean Holder deixa o baixo para a entrada de um velho amigo de Simon Brand, Simon Crowfoot, e logo começaram a fazer vários shows.

Formação clássica da banda, já com Simon Crowfoot no rabecão

Na primavera de 86 o Torment grava duas músicas para a coletânea Zorch Factor e mais três para a coletânea Stomping At The Klub Foot, no mesmo ano ainda lançam o Ep Mystery Men e, mais tarde, ainda em 86, o primeiro álbum completo e um petardo, Psyclops Carnival.

A banda com amigos, em 87

Após uma grande tour européia para promover o disco, em 87 entram em estúdio para a gravação de Three’s a Crowd, com a produção do frontman do Frenzy, Steve Whitehouse, e do próprio Simon Brand.


A essa altura já considerada uma das mais conhecidas bandas do gênero e com shows freqüentes no Klub Foot, gravam em 89 o álbum Round The World, que é um tanto diferente para o padrão de som do grupo, músicas como a versão a capella de “Twently Fight Rock” do Eddie Cochran e a melancólica balada “Hideway” marcam o mais estranho trabalho da banda.

Simon Crowfoot e à direita Orazio, do Boppin' Kids

Em 1990 lançam o último disco da banda, Hipnosis, com a produção de Pete Gage, que já havia trabalhado com bandas como Restless e Screamin’ Lord Stuch, dessa vez com uma sonoridade muito mais psychobilly que o disco anterior, e com ótimas músicas como “Worse And Worse”, “Psyclone Joe” e “Don’t Despair”.

Foto clássica de um gig do Torment com o Batmobile. Imagimem como foi isso...

Em 91, após conhecer uma garota holandesa, Simon Crowfoot abandona a banda para a entrada de Vince Mildren, e é feita mais uma tour por todo o continente europeu.

À direita Vince Mildren, substitudo de Simon Crowfoot no final da banda

Finalmente em 1993 a banda suspende as atividades por problemas pessoais de Simon Brand ligados a sua ex-esposa, e o mesmo se para Vermont (EUA). Mas logo no ano seguinte volta para a Inglatera afim de retomar seu casamento e ainda faz planos para um provável retorno da banda com Kevin Haynes.

Último show da banda com Simon Crowfoot

O possível retorno com sua ex-mulher não deu certo e então a própria família de Simon Brand o interna em um hospital por problemas graves de depressão, pouco tempo depois Simon Brand comete suicídio por enforcamento, colocando um fim definitivo na tragetória da banda.

Show no 3rd Wrecking Festival, em 90 na Bélgica

Kevin Haynes que era designer das capas da Nervous Records nos anos 80 ainda mora em Bristol, já Simon Crowfoot atualmente mora na Nova Zelândia.




Download dos discos

quarta-feira, 16 de dezembro de 2009

PSYCHOLIST #08

Atrasado mas ainda a tempo, segue agora a oitava edição da Psycholist, desta vez mais abillia que nunca!

Quem vai indicar uns plays agora é nosso amigo Wagnão, Dj e inegrante da turma Ases do Rock 'n' Roll, uma das mais antigas do Brasil. Enjoy 2:)


Johnny Burnette And the Rock ’n’ Roll Trio (1956)


Para os amantes da boa musica, este é um disco indispensável, pois trás até nós o quão inovador e revolucionário foi este estilo musical na década de 50. O disco Johnny Burnette and the Rock ’n’ Roll Trio tem a capacidade de parecer muito mais uma coletânea, do que um simples álbum, pois esta recheado de faixas memoráveis como os etenos hits Train Kept A-Rollin, Lonesome Train e Sweet Love On My Mind. Um fato bem interessante é que este disco foi gravado em menos de uma semana, na verdade entre os dias 02 e 05 de julho do ano de 1956, pelo selo Coral na cidade de Nashville, Tennessee.
Johnny Burnette no Wikipedia.


Rockabilly Tunes (1985)


Este disco vem de encontro com aquela teoria que prova que o lado B das coisas tendem a esconder as grandes perolas. Neste LP temos o segundo escalão da lendária SUN RECORDS em cartaz e sinceramente confesso que não ficam devendo em nada para aqueles que sempre tiveram os holofotes voltados para sí nos anos de ouro da gravadora de Memphis. O Rockabilly Tunnes foi lançado originalmente pelo selo Charly UK (detentora dos direitos da Sun Records) no ano de 1985 e por sorte, tivemos este mesmo disco re-lançado aqui no Brasil no ano de 1989 pela Brasidisc, em uma fantástica serie chamada RARITY, na época essa coleção era facilmente encontrada nas lojas especializadas, porem hoje chega a ter alguns títulos disputadíssimos entre os colecionadores do estilo.
Tracklist Rodkabilly Tunes.


Crazy Cavan & The Rhythm Rockers - Still Crazy (1979)


"Feios, sujos e malvados"... essa seria a melhor definição para esta banda vinda lá do Pais de Gales, que tem em seu vocalista, Cavan Grogan seu principal porta voz. Crazy Cavan & The Rhythm Rockers é uma banda que nunca fez questão de esconder sua postura e estilo de vida e sem duvida isso refletiu em todas suas musicas. Mulheres, carros, brigas e festas são temáticas constantemente abordadas em suas letras e no disco Still Crazy não seria diferente. Este disco lançando em 1979 tem como principais destaques as musicas Rockabilly Rules OK e Trouble Trouble. O sucesso desse LP foi tanto que ele chegou a ser lançado por duas gravadoras no Reino unido, sendo elas a Charlie Records e a Polar Vox (12") além do selo Big beat ter lançado no restante da Europa uma versão com 3 musicas a menos devido ser um LP 10".
Site oficial Crazy Cavan.


Gene Vincent - Blue Jean Bop (1956)


Este foi o disco de estréia do Sr. Eugene Vicent Craddock, mais conhecido como Gene Vicent, isso no ano de 1956, pelo selo Capitol. Esse disco é riquíssimo musicalmente pois mistura rocks crus como Who Slapped John com musicas de declarada influencia jazzística como Lazy River, o que futuramente iria servir de referencia para muitos, pois com essas misturas dentro de um LP de rock, mostraria ao mundo que o tal do "rock´n´roll" poderia ser apresentado como um grande leque de possibilidades. Outro fato muito curioso que não pode passar desapercebido foi que este disco primeiro foi lançado como long-play e depois em compactos, fato totalmente inusitado na época, pois as gravadoras não costumavam apostar tão alto em jovens estreantes.
Site oficial Gene Vincent.


Summertime Blues / Let's Get Together (1959)


É notório que no inicio do rock´n´roll, quando falamos de industria fonográfica, não podemos esquecer de falar dos compactos, a maneira mais fácil de se vender sucessos. No caso um vinil de 7" lançado pelo selo Liberty no ano de 1959 que lançaria a mídia um sucesso chamado Summetime blues e tendo como lado B a musica Lets get together, sendo que aí mora a curiosidade. Essa musica na verdade nada mais é que uma segunda versão de C´mom evebory, riff por riff, nota por nota, a questão é que ao compor a musica original os compositores Eddie Cochran e Jerry Capehart tiveram uma pequena discussão ao definir se usariam esse ou aquele termo como refrão e depois de longa e ferrenha discussão, resolveram criar duas musicas, mesmo que praticamente idênticas.Vale a pena ouvir essa segunda versão e tentar adivinha qual delas foi a preferida do gênio Eddie Cochran... Keep on rockin!!!!

sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

DEMENTED ARE GO - HOLY HACK JACK


Esse foi o segundo DVD lançado do Demented Are Go pela Cherry Red, graças ao sucesso do primeiro, “Sick Sick Sick - Call Of The Wired”.

"Holy Hack Jack" foi lançado em 2006 e contém dois shows. O primeiro é uma apresentação de 2004, na 12º edição do Psychobilly Meeting, em Callela. Já a segunda foi gravado em 98 no Princess Charlotte, na cidade de Leicester.

Pra finalizar, há ainda dois sons de outro show realizado em 98 também, em Morecambe.

Após baixar (3.6gb em 81 partes de 50mb), é só clicar no primeiro arquivo, descompactar e gravar em algum dvd. Enjoy 2:)


12th Psychobilly Meeting:

Blood Beach / Call Of The Wired / Sickness Of Truth / Daddies Making Monsters / One Sharp Knife / Where You Gonna Go? / Demon Skatin' / Country Woman / Cast Iron Arm / Love Seeps Like A Festering Sore / Out Of Control / Pvc Chair / Hellbilly Storm / Queen Of Disease / Pervy In The Park / Destruction Boy / Satans Rejects / Holy Hack Jack / Wanna Be Your Slave / Straightjacket


Princess Charlotte:

The Chase / Holy Hack Jack / Mongaloid / Blood Beach / One Sharp Knife / Where You Gonna Go? / Queen Of Disease / Zombie Stalk / Can't Sleep At Night / Sickness Of Truth / Cast Iron Arm / Red River Bloody Staircase / Brand New Corpse / Country Woman / Funnel Of Love / Clitoris Bite Boogie / Whats The Problem? / Strangler In Paradise


Morecambe Dome:

I Wanna Kill / Stake In The Heart


Download

quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

[MG] PSYCHO ATTACK OVER BH - BELO HORIZONTE

Em comemoração aos 10 anos da primeira edição do Psycho Attack Over BH, edição especial com:



OVOS PRESLEY
BIG TREP
ESTRUME'N'TAL
DEAD GOBLINS


Dia 12 de Dezembro na Obra, a partir das 22 horas.
Entrada $15

[SP] KÃES VADIUS, BAD LUCK GAMBLERS & DEGOLADOS - SÃO CAETANO



KÃES VADIUS
BAD LUCK GAMBLERS
DEGOLADOS


SÁBADO 12/12/2009
19:00hs
R$10,00

CIDADÃO DO MUNDO ARTE E CULTURA
Rua Rio Grande do Sul,73
(atrás das Casas Bahia e a 2 minutos da estação da CPTM)

quarta-feira, 9 de dezembro de 2009

GAZMEN


O Gazmen foi formado nada menos por Gary ‘Gaz’ Day, considerado por muitos como um dos melhores baixistas não só da cena como do mundo. Gary já colaborou com diversas bandas, como Nitros, Frantic Flitstones, Caravans, Sharks, Empress Of Fur e até Morrissey, frontman do Smiths.

Participação da Gaz na época áurea do Frantic Flintstones

O resto da banda é composta basicamente pelos caras do Sharks mais o guitarrista Alain Whyte, que tocou com Gary Day no Morrissey. Eles tocam um neo-rockabilly/psychobilly bem tradicional, na linha do próprio Sharks e as vezes lembrando Meteors no começo.

Da esquerda pra direita: Boz Boorer, John Spencer, Morrissey, Alain Whyte e Gary Day, em 91

Lançaram apenas este ep em 96, chamado “Rigormortis Rock”. A faixa-título foi escrita por Alan Wilson e lançada pela primeira vez junto à banda The Space Cadets (não confundir com a que o Mark Harman tocou), em 84, na coletânea “Hell's Bent On Rocking”, da Nervous. Alguns sons do play foram escritos enquanto Gary Day estava no Sharks e outros gravados mas nunca lançados.

Show no Hammersmith Odeon, em 91

Pouco tempo depois, o line-up teve mudança: entrou Pug (Frantic Flintstones) e Stuart (Guana Batz).

Em 2000, este ep foi re-lançado em CD pelo selo americano Rock It, mas atualmente está fora de catálogo. Além disto, as quatro músicas saíram alguns anos atrás na coletânea “Rockin’ With Morrissey’s Side-Men”, que não é nada mais nada menos que uma compilição de músicas do pessoal que já tocou com o Morrissey, como Boz Boorer (Polecats, Deltas, Frantix), Alain Whyte (Gazmen e bandas obscuras de rockabilly), Johnny Bridgewood (Stringrays) e o já citado Gary Day.

Gary Day em Las Vegas tocando com Morrissey, em 2000

Ano passado, Alan Wilson achou algumas demos perdidas do Gazmen, Sharks e do FF na fase X-Ray Sessions, e pretente lançar assim que possível todo esse material em conjunto com a Raucous e seu selo Western Star.


Pra quem gosta de Sharks e neo, é uma boa pedida 2:)


Download

quinta-feira, 3 de dezembro de 2009

[SP] VOODOO STOMPERS NO CLUB BOCA - SÃO PAULO

Festa bem legal que vai rolar, realizada pela loja Combat Rock e o selo 80s Records, neste próximo fim de semana na capital.

Além de bandas e discotecagem Psychobilly, vai rolar bastante Punk, Pós-punk e 80s! Confira o flyer e infos abaixo:



VOODOO STOMPERS
NEW CITY ROCKERS
SEGUNDO INVERNO


Data: 05/12 (sábado)
Horário: À partir das 23h
Preço: Homem R$20 (consome R$10) - Mulher R$10 (consome R$5)

quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

PSYCHOLIST #07

Na primeira Psycholist desse mês natalino, que vai dar palpites de som bom agora é Lucas, guitarrista da banda santista Big Nitrons. Let's wreck:


The Red Elvises - Six Strings Samurai Soundtrack (1998)


Quem ver esse filme muito provavelmente vai ficar curioso pra saber que banda fez a trilha sonora. O The Red Elvises é uma banda Russo-Americana formada em 1995 por um grupo de Russos que viviam na Califórnia e que foi convidada para fazer parte desse filme lançado em 1998 tanto na parte musical como também em algumas cenas. O que mais curto nesse álbum é a influência clara de surf music e polka nas músicas, letras melo-dramáticas bem humoradas e o sotaque carregado do vocalista Igor Yuzov. Destaque para as faixas "Love Pipe" e "Boogie on the Beach".
Six String Samurai no Wikipedia.


Scallywags - 3 Of a Kind (1988)


Esse é sem dúvida alguma um dos meus álbums favoritos dessa leva de bandas menos admiradas do Psychobilly 80´s Europeu. "3 Of a Kind" é o segundo álbum da banda e foi lançado em 1988 pela Maybe Crazy Records, mesma gravadora do Mad Sin na época. Alguns dizem até que os timbres da gravação lembram um pouco os primeiros álbums do Mad Sin, particularmente discordo. Esse álbum pra mim representa muito bem a sonoridade que fervilhava na época, músicas rápidas e com uma pegada bem clássica, timbres excelentes de guitarra e voz, baixo e bateria muito bem gravados. Destaque paras as faixas "I´m Back" e a faixa-título.
Scallywags no myspace.



The Lengendary Shack Shakers - Pandelirium (2006)


Pra quem curte uma fusão de diferentes estilos musicais esse é o álbum certo. O T.L.S.S. surgiu em meados dos anos 90 no Kentuky - EUA, e desde então vem mostrando algo que talvez seja mais umas das enésimas vertentes do psychobilly. Este disco mostra bem isso, fazendo uma miscelânea de Ghotic Rock, Gipsy Punk, Delta blues, Hillbilly, Polka, Rockabilly e por aí vai. Destaque para as faixas "Ichabod" e "Jipsy Valentine".
Myspace Lengendary Shack Shakers


Termites - Overload (1989)


Esse é um daqueles álbums que não dá pra tirar do repeat. Overload foi produzido por ninguem mais ninguem menos que Chuck Flintstone e foi lançado envolto em brigas e desentendimentos internos da banda. Mesmo assim o disco foi lançado e com uma "ajudinha" do MUH conseguiu uma vizualição boa na europa. Esse álbum é energético, direto e sem enrolação do começo ao fim. Alguns dizem até que lembra um Meteors mais distorcido e acelerado. Destaque para as faixas "Who´s That Chick" e a versão de "Brand New Cadillac".
Myspace Termites.


Radiacs - Hellraiser (1989)


Já comentada nesse blog, o Radiacs é uma das bandas da leva Psycho 80´s que tinha um futuro promissor, porém por motivos desconhecidos, acabou alguns anos depois do lançamento do seu último álbum gravado em estúdio, "Going Strong". "HellRaiser" é um álbum que não prima pela qualidade de gravação porém o som é honesto, direto e muito bem executado. Um dos detalhes que mais me adimiram nesse disco são as linhas de baixo em "I Was Wrong" e "Hellraiser", está última uma das músicas top 10 do psychobilly pra mim. Destaco também as versões de "Al Capone" e Jungle Rock".
Radiacs no Bastard Songs.

terça-feira, 1 de dezembro de 2009

SOMETHING SHOCKING


O Something Shocking iniciou suas atividades no final de 1986, com Vanessa no vocal e baixo, Doug na guitarra e Pete na bateria. Logo recrutaram Emma para o baixo de pau, o que permitiu que Vanessa se concentrasse completamente nos vocais. Notava-se desde o princípio a paixão de Vanessa pelo punk rock, inclusive seu vocal remete totalmente à Rezillos e Penetration, bandas punks com vocal feminino que fervilhavam na época. Inclusive o SS gravaria um som do Revillos no seu full-lenght, com a música "Motorbike Beat"

Apresentação durante o 1st Big Rumble, em 1990

O agora quarteto gravou uma música, que acabou dando nome ao sampler "Something To Remember" da Fury Records. Logo depois disso Doug saiu da banda para voltar ao Rattlers, banda que tocava anteriormente. Em seu lugar entrou Mike, que havia acabado de sair do Demented Are Go. Essa influência pode ser vista claramente em "Flight 101", música que Mike escreveu e é bem parecida com "Flight 103" do DAG. Ele escreveu a maioria das músicas originais, o que eventualmente causou um pouco de tensão na banda.

Capa do único play da banda, uma das mais fudidas por sinal

Este line-up gravou e lançou em 91 Pink, um álbum que hoje em dia merece ser redescoberto e ouvido com atenção. É um disco muito bom, com uma grande variedade de influências, o que faz do Something Shocking uma banda única, misturando Psychobilly clássico com Punk, Pop dos anos 80 e bandas de garotas dos anos 60. Parece injusto eles nunca terem alcançado uma dose maior de sucesso já que a banda era diferenciada, com músicas bem trabalhadas e melódicas. Sem contar a voz de Vanessa, que é muito boa, mas sendo pop demais para ser grande na cena Psychobilly da época (apesar de terem tocado no primeiro Big Rumble) e psycho demais para atrair algum selo grande. A banda não estava em uma posição boa e logo se encontrou num beco sem saída.

Something Shocking no auge, abrindo pro Guana Batz

Vendo como atualmente muitas bandas fazem crossover entre vários estilos diferentes, é de se imaginar que o Something Shocking veio cedo demais... Emma ainda toca baixo em algumas bandas de rock'n'roll e rhytm'n'blues, como The Unknows, Razzle Dazzle e etc.


Download