Se não for direcionado automaticamente, clique aqui. Bastard Songs: FRANTIC FLINTSTONES

segunda-feira, 5 de outubro de 2009

FRANTIC FLINTSTONES


A primeira aparição do Frantic Flintstones ocorreu em outubro de 1986. O líder e vocalista da banda, Chuck Harvey, já havia tocado em outras bandas, como "Whats This Fish?" e "Mute". A primeira formação de fato do Frantic Flintstones continha Ric na guitarra, Clive no baixo e Toby "JUG" Griffin, que já havia tocado em bandas como Coffin Nails e Meteors.


O primeiro vinil veio um ano depois pela Raucous Records, o clássico EP "Bed Rock". Nesse tempo a formação já havia mudado. Nodger entrava na guitarra, Andy tinha assumido a bateria e Gary Day o baixo acústico.

Andy não conseguia acertar a bateria nos ensaios (devido às "drug sessions" evidentemente), e como a bateria é sempre gravada antes, isso era um pesadelo.
O EP vendeu bem e um pouco depois eles lançaram um album por um outro selo, a Nervous Records.


Devido ao problema de Andy com a bateria, o álbum foi batizado de "Nightmare On Nervous", que chegou até a alcançar o #12 no 'Indenpendent Album Chart'. Shows vieram e o Frantic Flintstones começou a ganhar prestígio na cena psychobilly.

Após o lançamento desse disco, Chuck sofreu um grave problema no coração, mais precisamente um ataque cardíaco, que necessitou de uma cirurgia. Todos pensavam que era o fim da banda. Mas não muito depois, Chuck voltou como se nada tivesse acontecido. O próximo disco deles, "Rockin’ Out" foi lançado pela Link Records. Pouco antes desse lançamento, Nodger saiu e foi substituido por Pug, que já havia tocado com Gary Day em outra banda, The Mysterons.


Após esse disco, o Frantic Flinstones tocou muito e gravou discos praticamente todos os anos. Vieram em 89 o “Not Christmas Álbum” e o EP “Yabbadabbadoo”. O album mais sinistro e pesado da banda, “The Nightmare Continues”, e um ao vivo, “Live & Rockin”, também foram lançados em 1989.


Em 90 lançaram o album “Schlachthof Boogie Woogie”, “Well Gone In Europe”, com regravações e o “Raucous Recordings”, com demos e raridades antigas. Em 91 veio “Cuttin’ A Fine Line”, com uma pegada bem neo-rockabilly e em 91 veio “Flash & Fantasy”, com musicas mais experimentais. Nesse periodo também foi lançado “Skin Up Chill Out”, um disco acústico com apenas Chuck e Pug tocando, e o “Take a Hike”.


O “Jamboree” de 93 marcou o primeiro lançamento pela Anagram Records (que foi responsavel por manter o material antigo até hoje disponivel) e também o último disco gravado por Gary Day, que já estava num processo de vindas e idas durante algum tempo, devido à suas outras bandas, The Nitros e mais pra frente Morrissey.


Após sua saida muitos baixistas passaram pela banda, incluindo o ex-Guana Batz Jonny Bowler. Após pouco tempo, na bateria também houve alteração, mas nesse caso definitiva, entrando RockinReject. Provavelmente em torno desse período (inicio dos anos 90) que também apareceu a palavra que carateriza e faz parte do vocabulário da banda e dos fãs: "MUH".


No ano seguinte, o Frantic Flintstones gravou o “Enjoy Yourself” e Chuck se mudou para Alemanha para se casar. Nesse periodo, começou a ficar complicado para Pug ir nos shows, sendo substituído temporariamente por Douggie (Long Tall Texans) e Alan Wilson (Sharks).


Pouco tempo depois do Jamboree, o Frantic gravou o “X-Ray Sessions” e ficou alguns anos sem lançar coisa novas. Retomaram às atividades com o “Speed Kills” (98), “Rock It Boy” (2000), “Too Sweet To Die” (2001) e o “Billy Overdose” (2002), vários desses produzidos por Alan Wilson.

Porém, foi em 2003, com o lançamento de “Champagne For All”, que a banda ressurgiu de vez. Considerado por muitos como o melhor disco psychobilly dos últimos anos e gravado com Fantomas no baixo acústico, Go Go Gomez na guitarra e RockinReject na bateria, o Frantic Flintstones deixa as experimentações e as levadas neo-rockabilly dos últimos albuns de lado pra tocar um psychobilly direto e marcante. Em 2003 também foi lançado uma coleção de Eps, chamada de “The EP Collection”.


Em 2004 lançaram um DVD, “Well Gone in Europe” (gravado em 2003 em Paris) e em 2005 lançaram um disco chamado 'Legendary Mushroom Sessions', um registro de uma gravação ocorrida à vários anos atrás.

Em comemoração aos 20 anos de banda, foi lançado o "Frantic Flintstones 20th Anniversary Album" em 2006. Infelizmente, as turnês do Frantic Flintstones desse ano foram canceladas devido à um problema no pulmão de Chuck.

No ano de 2007 foi lançado um mini-álbum chamado “California Earthquake” e um tributo à banda, chamada de 'Muh to the Muh', contando com várias bandas do mundo todo (inclusive do brasil) e com uma faixa inédita do próprio Frantic Flintstones. Um tributo nada mais que merecido pra uma banda que lançou tantos discos e que participou de inúmeras coletânias.


Em setembro do mesmo ano, a banda veio pela primeira vez ao Brasil. A tour, chamada “World Doination Muh” passou por São Paulo, Londrina e Curitiba, durante o 13º Psychobilly Festival. A formação constava com Bubble ma guitarra, Cloey no baixo e RReject na bateria. Shows memoráveis não só para o público brasileiro quanto para os próprios integrantes da banda.

O vocalista Chuck ficou maravilhado com o país e decidiu ficar por aqui. Coxinha (ex-Catalépticos, Hillbilly Rawhide, Sick Sick Sinners e etc) foi convidado para entrar na banda e partiram para uma tour Européia, tocando em diversos países. Na volta, Chuck continuou no país e reformulou o FF, apenas com integrantes brasileiros. Além de Coxinha no baixo, Mário Larápio foi para a guitarra, Germano para a bateria e Mark no violino.


Com essa formação tocaram em São Paulo e no Rio e participaram de alguns festivais, como Psycho Carnival 2009, além de lançaram o último registro do Frantic Flintstones até então, “Psycho Samba My Way”. Neste disco, Chuck deixa claro como a cultura brasileira o influênciou, deixando o álbum com um estilo bem brasileiro, onde experimentam até pandeiro! O resultado ficou excelente e o disco é repleto de sons contagiantes e animados, que certamente será lembrado por muitos anos.


Após o Psycho Carnival, Chuck resolveu voltar para Berlin, reformulando mais uma vez o FF, com RockinReject de volta à bateria. Estão em tour novamente pelo velho continente. Com planos de voltar o Brasil periodicamente, Chuck anunciou que a versão brazuca da banda agora consta com um dos melhores guitarristas do país, Preto Aranha, frontman do Brown Vampire Catz.

Para estrear a formação brazuca, está prevista uma série de shows em meados de 2010. Fiquem atendos aqui no blog para futuras atualizações a respeito.

MUH!




Download dos discos

4 comentários:

Lyncoln disse...

Caralho esse post do FF matou a pau !!!

Anônimo disse...

DEDICA OS CREDITOS PRAQUELE QUE FEZ 90% DESSE TEXTO PELO MENOS NÉ ANIMAL

Fanfa disse...

Ta Ricardo
Mas foi editado mais de 10% ein!

Anônimo disse...

THANKS